Piedade / SP - Como Chegar
  • Português do Brasil
  • English
SIGA-NOS

Tradições e histórias

A figura que tradicionalmente chamamos de “caipira”, no centro-sul do Brasil, é uma forma híbrida de cultura europeia e matrizes indígenas (sobretudo tupis e guaranis).

(imagem: Caipira picando fumo: Almeida Junior, 1893)

A casa do caipira, muitas vezes vista como simples ou rústica, na verdade expressa um pragmatismo indígena: tenho o que posso carregar.

Por isso bancos, tamboretes, redes, esteiras eram tão mais comuns na casa do caipira do que grandes camas, com dosséis, armários e trocadores. A escolha dos materiais também se dava pela disponibilidade no ambiente: madeiras, fibras vegetais, barro, pimentos naturais.

Por fim, a figuração e a decoração sempre se remetiam ao mundo natural e suas referências: frutas e plantas, flores e animais da mata atlântica.

Assim, na composição da decoração e do mobiliário do Ronco do Bugio entraram peças que se remetem a esse universo caipira (algo colonial), como arcas e baús (usados antigamente nas viagens pelas estradas do interior), objetos de madeira, decorações que usam vastamente matérias primas rústicas e com uma figuração inspirada na natureza.

Entretanto, objetos indianos ou do extremo oriente também podem ser encontrados aqui e ali. A sintonia? Justamente no fato dessas culturas, apesar da distância geográfica, possuírem referências e relações com o mundo natural semelhantes, o que permite um diálogo dos objetos e da arte.

(Pesquisa e texto: Rodrigo Silva, fundador da Conceito Humanidades.

Sustentável pra quê?

Nossa ideia inicial no Ronco do Bugio, de preservar a mata, o terreno, a fauna e a flora e apoiar a comunidade no entorno sempre nos guiou em todas as ações. Todos sabem que a maneira que o mundo se desenvolveu até hoje está esgotada e precisamos criar novas formas de atuar. Por isso, muitas iniciativas nos encaminham para esse novo mundo, e você pode conhecê-las na seção do site Nossas Crenças.

Mas hoje queremos falar de outros aspectos da sustentabilidade.

Sabia que após o 11 de setembro os parques de Nova Iorque registraram um recorte de visitantes? E que novos estudos mostram que estar em contato com a floresta diminui os níveis de estresse, ansiedade, depressão e ajudam a pacientes a se recuperarem mais rapidamente no pós-cirúrgico, e até mesmo com menor quantidade de analgésicos?

Isso não é mágica nem misticismo. O que seria então?

Bom, se levarmos em conta a linha do tempo do nosso planeta, nós estamos aqui há pouquíssimos anos. Se pensarmos então há quanto tempo saímos das matas e vivemos em cidade, esse tempo é risível. Se a Terra tivesse um século de vida, os seres humanos estariam construindo cidades e prédios há poucos segundos.

Parece que nosso corpo, nossa ancestralidade genética, andam sentindo falta de alguma coisa, não?

Trabalhamos muito no Ronco para que você possa finalmente relaxar e se sentir bem. Nosso sonho sempre foi transformar a hospedagem em uma experiência única e deliciosa. Mas também sabemos que a mata, simplesmente a presença da floresta, faz grande parte desse trabalho. É ela que, primeiramente, traz essa sensação de renovação, prazer e reconexão que você sente ao se hospedar aqui. E a ela somos gratos.

Então, ser sustentável para quê? Primeiro, porque parece que estamos adoecendo ao nos afastar de nossas raízes. E quando adoecemos, além de nos sentirmos péssimos, também não temos capacidade de pensar, trabalhar, amar. Enfim, não temos capacidade de continuar essa jornada que nossa espécie faz na Terra.

Ser sustentável para que possamos planejar e concretizar o presente e o futuro, para que possamos existir ainda e por muito tempo, como indivíduos e espécie.

Esperamos você aqui para se sentir assim, renovado, e para continuarmos essa conversa. Até mais!

Pro seu piquenique

Uma das novidade no Ronco do Bugio é seu piquenique na mata. Cercado pelas árvores e num espaço privativo, a gente preparou um banquete especial para você curtir uma tarde apenas conversando, comendo, bebendo e celebrando um momento simplesmente delicioso. E pra quem gosta de piquenique, ficamos aqui pensando em algumas coisas que você pode fazer durante seu momento de curtição. O que acha?

Um pedido especial!

Já pensou em pedir seu amor em casamento no meio da mata? Olha que já aconteceu por aqui, e parece que deu certo… Se precisar de ajuda nos preparativos da surpresa, conte com a gente! Aceita?

Pet piquenique!

Ok, você nem pensa em deixar seu pet esperando na suíte enquanto curte o piquenique, certo? Tudo bem, ele também é bem vindo aqui. Só garanta comida e água pro peludo, ou vai ter que dividir sua cesta de pães, frutas e, quem sabe, até bolo!

Let´s dance!

Que tal se soltar um pouco e arriscar uns passinhos protegido pelas matas? Pra quem gosta de dançar e se soltar, um piquenique é uma boa pedida! Não se preocupe, ninguém vai ficar espiando, pode se soltar!

Bom, a imaginação é sua. O resto a gente fornece: cestinha de pães, queijos, patês, frutas, bolo e um espumante ou vinho tinto. E você, o que mais consegue tirar da sua cesta de piquenique para incrementar esse momento?

Karina Oliani no Ronco

Um refúgio em sintonia com a natureza

texto originalmente publicado em Viajando com Karina Oliani, pelo jornal Estadão

http://viagem.estadao.com.br/blogs/viajando-com-karina-oliani/

26 Janeiro 2018 | 10h31

RONCO DO BUGIO

A cerca de 100 km da agitada capital paulista, uma pousada mostra que charme, hoje em dia, é ser ecologicamente correto.

Em meio a uma área de mata preservada da serra de Paranapiacaba se encontra a pousada Ronco do Bugio. Tudo começou quando o proprietário do local, José Luiz Majolo, motivado por um sonho iniciou a construção em 2002.

O INÍCIO

 “Meu pai tinha o propósito de conservar os animais que estavam sendo caçados e dizimados e a floresta que estava sendo desmatada. Mas ele só conseguiria fazer isso se desse um sentido econômico e se ajudasse a desenvolver o entorno da sua propriedade e a vida das pessoas que ali habitam. Por isso a nossa pousada tinha que ser sustentável desde sua concepção”, conta Gabriela Majolo, filha e atualmente a administradora do Ronco.

Em fevereiro de 2003 foram inauguradas as 7 primeiras suítes e a casa principal. A rapidez da obra se deve a equipe de empreiteiros especializados em construção com material de demolição. José Luiz foi até Minas Gerais para adquirir esse material específico de fazendas mineiras demolidas e com ele optou por construir os chalés em áreas que já estavam desmatadas.

Gabriela conta que na época da construção seu pai era banqueiro e não tinha muito tempo para acompanhar de perto a obra, por isso, quem se encarregou do paisagismo e da decoração do Ronco foi sua mãe, Fátima Majolo.

As suítes não necessariamente seguem nenhum padrão, de construção previamente estabelecidos, nem de decoração ou tamanho, justamente porque obedecem a outros critérios, ecologicamente exemplares.

Posteriormente, as outras 8 suítes, de 8 a 15, foram sendo construídas a medida que José Luiz achava o material de demolição. Eles sentavam, analisavam o que tinham e então iam planejando e desenhando uma nova suíte. Então cada espaço é único e personalizado, tem um para agradar cada gosto.

POUSADA SUSTENTÁVEL

Por todo esse cuidado, a Ronco do Bugio ganhou o Prêmio da ONU de melhores práticas do Turismo sustentável mundial. Com o auxílio da Certificadora You Go Green, foi criado o Projeto Ronco Zero, que neutraliza o carbono emitido durante a estada de um casal.

Ou seja, se 1 a cada 2 hospedes concordarem em fazer uma linda trilha na mata Atlântica, pode-se zerar os danos do carbono lançado na atmosfera. E é claro que eu e o Marcelo compramos a ideia e decidimos plantar 4, ao invés de 1 árvore.

A caminhada é uma delícia e dura cerca de 1h. Logo chegamos a uma clareira em meio a mata e fizemos a nossa contribuição pra reflorestar esse lugar plantando um Ipê branco, um amarelo, um roxo e uma Pitangueira.

Depois, queríamos continuar respirando ar puro e o Marcos Vinicius, funcionário da pousada que nasceu na região, nos guiou até o ponto mais alto, onde ficamos em pé nessa pedra linda para apreciar a vista que, honestamente, nos transportou para algum lugar no meio da Amazônia. Quem prefere as 2 rodas ao invés da caminhada pode também pegar uma bicicleta (disponível em frente a recepção da pousada) e passear pelas trilhas da serra ou conhecer a região de Piedade, como a Vila Élvio, que possui a aparência de um vilarejo europeu.

CULINÁRIA NATURAL

Na volta, a fome era grande e a culinária do local se utiliza dos melhores produtos da região, todos naturais e orgânicos. Até na cozinha existe o cuidado com a sustentabilidade. O objetivo é realizar pratos deliciosos com o sabor do interior. A seleção de vinhos e cachaças atrai a muitos, e com razão! Todos os pratos que experimentamos na nossa estada estavam deliciosos.

O charme rústico e o conforto da suíte 7 nos chamava de volta. Um banho de banheira com sais marinhos e depois deitar na varanda para ouvir o ronco dos bugios pareceu perfeito pro descanso. Acordamos e fomos presenteados com um convidativo bilhete acompanhado por um brigadeiro gourmet maravilhoso.

 

E para quem quer levar seu pet, o Ronco do Bugio te encoraja a viajar com seu parceiro fiel. E vai receber vocês com todo o carinho e estrutura, até com uma piscina especial para eles.

O tratamento e o carinho que recebemos realmente condizem com o lema dos donos: receber, acolher e cuidar, eis a essência da hospitalidade. Fica a dica desse lugar especial que a gente amou e espera voltar em breve.